O Ouriço

Há muito tempo atrás, um jovem ouriço, que habitava em terras longínquas, decidiu compartilhar suas ideias com seres tão estranhos quanto ele, esforçando-se para que seus espinhos não o impedissem de fazer amigos.

O Ouriço é um blog pessoal criado por Bia (também conhecida como Kaori ou simplesmente K., como costuma assinar seus desenhos) visando, em um espaço uno, se expressar, experimentar novos tipos de escrita e dar vasão aos seus devaneios, por mais desconexos que sejam. Como diria o escritor-poeta Ferreira Gullar, “a Arte existe porque a vida não basta”. Arte é instrumento de transformação, conforto e esperança. É abrigo em dias de tempestade e abraço amigo em horas de tristeza.

O “Ouriço” é uma criaturinha da natureza que representa a proteção, a resistência, a curiosidade, criatividade e ao mesmo tempo a modéstia. Há quem o chame de arredio, desconfiado e ríspido, entretanto, o Ouriço é nobre o suficiente para compreender as próprias “limitações”. Sabe o quanto seus espinhos podem machucar, mas entende que isso também o protege e é parte intrínseca de sua natureza, por isso, aceita a si mesmo de bom grado, é humilde. Também, por ter conhecimento de que pode machucar, tende ao afastamento, se isola e prefere viver em sua pequena toca, aconchegante e com muitos livros. Aceita a visita de amigos, oferece chá ou café e os indica que tomem cuidado, pois deseja vê-los bem.

Assim, afastado — mas nem tanto —, o Ouriço conseguiu fazer os amigos que sonhava. Estes amigos nutrem grande empatia por ele e o respeitam assim, do jeitinho que ele é.

A autora

Bia, com seus vinte e três anos de idade, vive atualmente em Pernambuco, terra do cordel e do aconchego, onde nasceu e passou a primeira parte de sua infância. Posteriormente, mudou-se para São Paulo, onde viveu quase 16 anos de sua vida. Ali fez amigos, estudou designer, editoração e aprendeu sobre respeito e diversidade. Amou e ama essa cidade, mas entende que mudanças são importantes e necessárias. Agora, ainda buscando um cantinho para chamar de Lar, estuda e tem se dedicado para futuramente se tornar historiadora e lecionar. Recentemente tem descoberto e, redescoberto, pequenas e grandes paixões.
Está em busca de um estilo mais sólido em suas ilustrações afim de deixar de odiar tudo o que cria e, até lá, continuará com seus experimentos e bagunças artísticas com tinta e papel.